Naturopatia: A Conceção Holística da Saúde

Um dos princípios mais importantes da Naturopatia reside na abordagem Holística, que perspectiva o Homem como um todo inter-relacionado (e não apenas as partes que o integram) e que tem em conta o bem-estar físico, psíquico (mental, emocional) e até espiritual.
De fato, a própria definição de saúde da O.M.S. (Organização Mundial de Saúde), menciona que, para haver saúde, é necessário existir um “Completo bem estar físico, psíquico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”. Isto significa que, não estar doente, não é sinónimo de se estar de “Boa Saúde”.
O Homem (microcosmos), participa em contato directo com a natureza (macrocosmos) e está em contínua luta para encontrar o seu equilíbrio (Saúde). A doença surge como um desequilíbrio e os sintomas que se ocasionam poderão ser a linguagem do diálogo entre a natureza e o seu próprio corpo.
A Naturopatia utiliza todo o tipo de meios naturais (bioterápicos) para fazer reacionar o organismo, respeitando os mecanismos fisiológicos de “auto-cura”, através do reequilíbrio da “Energia Vital”, que é inerente a qualquer ser vivo.
Deste modo, a intervenção terapêutica orienta-se no sentido de modular os diferentes sistemas orgânicos e não inibir as reacções defensivas do organismo, respeitando a individualidade de cada paciente. Qualquer sistema terapêutico, deve estar em harmonia com os processos curativos naturais, afim de se obter a sua respectiva cura integral.
Para a Naturopatia, “não há doenças, há doentes”. Este princípio é aplicado a todos os pacientes, pois, o modo como cada doença se manifesta, varia de indivíduo para indivíduo e apresenta características diferenciadas. Por isso, o tratamento naturopático também deve ser casuístico e individualizado.
 

Holismo: A Visão do Todo

O termo “Holismo” deriva da palavra grega Holos, que significa o Todo.
Foi J.C. Smuts em “Holismo e Evolução” (Greenwood, 1973), que aplicou o termo Holismo, pela primeira vez, no Ocidente, com o conceito que hoje lhe é atribuído. Ele descreve o movimento involutivo e evolutivo do absoluto no mundo relativo e tenta exprimir o lugar que o Homem ocupa neste TODO em movimento.
Afastado dos conceitos tradicionais, o Homem teve que percorrer milénios de conhecimento para redescobrir que os Antigos tinham razão.
Conceber todo um sistema interativo, Universal, em que tudo afeta tudo, em que as partes são tão valiosas como esse todo, será ainda difícil para a Ciência Ocidental, que, preocupada em descobrir o “micro”, se foi esquecendo do “macro”.
A ideia de que o Homem faz parte integrante deste corpo interativo chamado Terra, já existia na antiga China.
 
Naturopatia: A Medicina do Homem Integral
A Naturopatia assenta no princípio da manutenção e recuperação da saúde através do estímulo dos poderes auto curativos (Força Vital) inerentes a cada ser humano (e animal); permitindo a eliminação das causas geradoras do desequilíbrio orgânico. Constitui um sistema terapêutico que recorre a bioterápicos (agentes físicos naturais: ar, água, sol, alimentação, argilas, plantas, suplementos alimentares), para fazer reacionar o organismo, permitindo a eliminação das causas geradoras do desequilíbrio. Restabelece o equilíbrio e a saúde, respeitando os mecanismos fisiológicos de “auto cura”, através do reequilíbrio da “Energia Vital”, que é inerente a qualquer ser vivo.
A intervenção terapêutica da Naturopatia orienta-se no sentido de modular os diferentes orgânicos e não inibir as reações defensivas do organismo, respeitando a individualidade de cada paciente.
Qualquer sistema terapêutico, deve estar em harmonia com os processos curativos naturais, afim de se obter a respetiva cura integral.
 

Força Vital: A Energia que nos Anima

Um dos problemas da medicina moderna, é a abordagem dos pacientes numa perspectiva sintomatológica. Assim, um diagnóstico puramente sintomático pode ser útil no sentido de se tomarem medidas terapêuticas para atenuar os sintomas e queixas dos pacientes. No entanto, pode não corresponder à realidade patológica que origina as queixas dos doentes. Deste modo, atenuar ou eliminar os sintomas, não é sinónimo de eliminação da causa dos mesmos. A medicina moderna faz dos nossos seres animados, um “saco cheio de fórmulas químicas”.
Assim, receitar medicamentos para atenuar sintomas, pode não só falhar, como mascarar e agravar ainda mais estes sintomas.
O princípio filosófico inerente à Naturopatia tem uma visão oposta e assenta no estímulo da Força curativa de cada indivíduo – Vitalismo. Esta é a base de toda a Naturopatia – estimular (através de meios naturais) os poderes auto-curativos do corpo, interferindo com a sua Energia Vital, tentando eliminar as verdadeiras causas das doenças e/ou perturbações e não apenas a eliminação temporária dos sintomas.

 

 Naturopatas: Agentes e Educadores de Saúde

Qualquer agente de saúde deve ter um papel de cuidador e prestador de serviços de saúde, mas acima de tudo, o papel de educador para a saúde.
O especialista em Naturopatia deve exercer essas duas funções fundamentais, pois o seu papel na prevenção é muito importante; deve ensinar ao seu paciente as leis básicas da saúde, quer em termos alimentares (escolha alimentos mais adequados à sua condição, combinações alimentares), quer em termos de saúde e de vida (regras de higiene natural, princípios orientadores para o bem estar pessoal, felicidade e desenvolvimento pessoal).
Os conselhos e orientações do terapeuta devem ser sempre no sentido da compreensão do Homem como um Todo, da dádiva que é estar vivo, da alegria de viver com saúde, otimismo e felicidade.
A responsabilidade de educar para a saúde, apoiá-lo para a transformação, que o conduza à recuperação da saúde total e à transformação num novo ser humano.

 

Naturologista - Naturopata

O Naturopata Naturologista, avalia o estado global da energia vital dos pacientes, utilizando técnicas de diagnóstico específicas, tais como postural, fisiogonómica, iridológica, por parâmetros analíticos e análise dos sintomas objetivos e subjetivos decorrentes da anamenese naturopática.                                                                                          
Determina os processos bioterapêuticos aconselháveis e prescreve dieta regeneradora, ensina e orienta exercícios corretivos, aplica massagens utilizando técnicas apropriadas, tais como “shiatsu” drenante. Prescreve remédios naturais, designadamente fitoterápicos, cromoterápicos, aromoterápicos, florais, suplementos minero-vitamínicos, bioelementos, tónicos e corretores biológicos, etc. Orienta as pessoas para hábitos de vida adequados à manutenção de um bom estado de saúde.