33º Programa Cuide da sua saúde: Dores nas Costas, 23 Janeiro 2014

Podcast RDP Internacional

 Dores nas Costas

As dores nas costas constituem um problema de saúde que representa uma das grandes causas de incapacidade. Várias causas podem originar  dores nas costas, sendo que a maioria está relacionada com problemas do sistema musculoesquelético. As lombalgias são o tipo de dor mais frequente ao nível da coluna vertebral. As causas podem ser várias (traumáticas, degenerativas, inflamatórias), normalmente associadas a más posturas ou esforços, que normalmente são combatidas com fármacos analgésicos e anti-inflamatórios, que aliviam temporariamente as dores mas que, muitas vezes, não combatem a sua origem. Mas se a causa das dores estiver relacionada com o estado emocional?

Apesar das dores nas costas estarem relacionadas com os músculos tensos, má postura, movimentos inadequados ou esforços excessivos, grande parte da tensão acumulada está relacionada com questões emocionais, tais como raiva, preocupação, medo, angústia, frustração, depressão e falta de autoestima, provocadas por diversas circunstâncias da vida, como insatisfação profissional, questões familiares, relacionamentos desarmoniosos, etc.

 

Coluna Vertebral – O Eixo Principal do Corpo

A coluna vertebral é um eixo central, onde muitas vezes se manifestam e refletem diversas alterações emocionais, tais como a ansiedade e frustração, funcionando como uma estrutura de impato, onde se descarregam todos os estados emocionais.

As dores na coluna cervical podem estar relacionadas com o plano do consciente, onde as preocupações conscientes se manifestam. Na coluna dorsal com o subconsciente, onde os estados emocionais latentes e os medos e preocupações se manifestam. E na coluna lombar com o plano do inconsciente, relacionado com as preocupações financeiras e as preocupações de que não temos verdadeira consciência.

É também ao nível da coluna vertebral que se refletem muitas vezes sintomas de doenças orgânicas - cálculos renais ou biliares, obstipação, tumores e doenças psicossomáticas - depressão, ansiedade, stresse e transtornos psicológicos de diversa natureza.

(No site, consulte abaixo o esquema da coluna e a relação com os diversos orgãos, clicando com o rato em cada uma das vértebras da coluna).

No entanto, a coluna vertebral também pode ser geradora de perturbações orgânicas e psicológicas.

 

O papel das Emoções no aparecimento de Dores nas Costas

O corpo e a mente estão interligados e sintonizam-se em termos de funcionamento. As emoções, como parte integrante da natureza humana, têm em termos de expressividade uma correspondência fisiológica.

Em termos emocionais, são as emoções negativas as que acarretam maior sofrimento, sendo muitas vezes e por diversos motivos, reprimidas e “escondidas”, ou seja, não aceites nem verbalizadas, o que impossibilita a sua adequada gestão e resolução.

Atendendo a que as emoções têm sempre de se libertar, o corpo torna-se a sua única via de expressividade e libertação. Assim, os estados emocionais negativos, sobretudo se intensos e continuados, colocam o nosso corpo sobre enorme pressão e sobrecarga, originando ou contribuindo para o aparecimento de doenças e dores nas costas.

O stresse crónico pode gerar certos estados de depressão e de fadiga crónica, que aumentam as dores nas costas.

Estamos perante o conhecido processo de somatização bastante doloroso, quer física, quer emocionalmente.

A depressão e o stresse decorrente de um luto ou de uma separação conjugal, bem como a perda de emprego, estão entre as situações que mais deflagram respostas somáticas.

As emoções associadas à falta de dinheiro, escassez de recursos, o medo do futuro e outros problemas relacionados com as finanças, segurança e estabilidade social e profissional podem ser fatores precipitantes de certo tipo de estados depressivos em indivíduos predispostos e vulneráveis e que se poderão somatizar nas costas. Este estado bloqueia os músculos, aumenta a fadiga, diminui a circulação sanguínea e oxigenação do cérebro e poderá afetar o estado emocional do indivíduo.

Quando nos sentimos felizes e tranquilos, a nossa tendência natural é para caminhar olhando para a frente, de peito aberto e coluna alinhada. No entanto, sentimentos como o medo, a raiva, a tristeza, a angústia, a desesperança, o remorso e até a baixa autoestima, pesam literalmente sobre a nossa coluna, pois em desarmonia, eles funcionam como um cordão que nos puxa para baixo, dificultando inclusive o próprio processo de respiração e consequente oxigenação dos tecidos e órgãos.

Aliás, só por si, a dor, mesmo que seja de origem física pode, principalmente se intensa e crónica, conduzir a estados emocionais de irritabilidade, angústia e revolta, gerando-se um ciclo vicioso que não só afeta a qualidade de vida da pessoa (por exemplo a perda de energia e a capacidade e executar determinadas tarefas, dificuldade em dormir, perda de apetite), como lhe acarreta outros problemas, entre eles, os de relacionamento.

A boa notícia é que, quando as emoções encontram uma forma adequada de expressão, o corpo descontrai e a coluna fica livre para cumprir a missão de eixo dos nossos movimentos, sem tanto desgaste ou desconforto.

Devemos tentar estar mais conscientes dos nossos pensamentos e emoções e fazer uma introspeção e análise: será que estamos a reprimir emoções ou sentimentos, como a raiva, ressentimento, frustração, inveja e ciúme? Por si só, essa tomada de consciência pode atenuar as dores nas costas.

Cuide da Sua Saúde.