ANTIOXIDANTES E ANTI-ENVELHECIMENTO

Nos últimos anos, tem-se assistido a um crescente interesse nos hábitos de vida saudáveis e terapias anti-envelhecimento. São cada vez mais os produtos antioxidantes e suplementos nutricionais anti-envelhecimento disponíveis no mercado. A busca do "Elixir da Eterna Juventude" de outros tempos, parece agora ter sido substituída pela procura de hábitos de vida saudáveis que retardem o processo de envelhecimento. A moda dos Anti-Oxidantes e Anti-aging veio mesmo para ficar. Descobertas científicas recentes demonstraram que o consumo de nutrientes com ação antioxidante pode ajudar a reparar danos no DNA celular e contribuir para reverter ou retardar o envelhecimento celular. Saiba quais os Alimentos e Nutrientes que promovem o anti-envelhecimento ou que retardam o seu aparecimento.

 


Radicais Livres: Agentes do Envelhecimento Celular

Os radicais livres são substâncias químicas produzidas pelo organismo, como resultado de diversos processos metabólicos. Ainda que o organismos esteja permanentemente a produzir estas substâncias, existem sistemas de defesa complexos que controlam este processo e impedem os efeitos nocivos ao nível celular. Até aos 30 anos de idade, o organismo dispõe de mecanismos eficazes de defesa, mas com o avançar da idade diminui essa capacidade de resposta defensiva e a ação dos radicais livres é mais facilitada. O problema é que o estilo de vida moderno, desde o ar que respiramos carregado de toxinas e metais pesados, aos alimentos desnutridos e desvitalizados e ao tipo de alimentação desequilibrada que fazemos, rica em gorduras saturadas, contribui para carências nutricionais (vitaminas, minerais e oligoelementos). Também os medicamentos que consumimos e o stresse psicológico são potenciais geradores de produção de radicais livres. Esta sobrecarga toxémica causa cada vez mais danos ao nível do DNA celular (oxidação celular) e é responsável pelo envelhecimento celular e por inúmeras doenças crónicas, doenças oncológicas, cardíacas e degenerativas, tais como o Parkinson e Alzheimer.

Antioxidantes: Poderosos Agentes Anti-Radicais Livres

Nas últimas duas décadas, a ciência da Nutrição tem evoluído muito na investigação contra os radicais livres e nas terapias anti-envelhecimento. Demonstrou que determinados nutrientes com propriedades antioxidantes podem neutralizar o seu efeito nefasto no organismo. A ação dos radicais livres no organismo é permanente, por isso há necessidade de protegê-lo com substâncias antioxidantes, que os neutralizem e que permitam a destoxicação orgânica. Os antioxidantes são nutrientes presentes nos alimentos que previnem os danos causados às células e tecidos do corpo, causados pelos radicais livres. Eles desativam essa ação potencialmente destrutiva de forma permanente. Certas vitaminas, tais como a Vitamina A, Vitamina C e Vitamina E têm propriedades antioxidantes e ajudam a prevenir a ação dos radicais livres. O ideal é o consumo de alimentos ricos nestas substâncias, complementado com a suplementação nutricional dos mesmos, pelas necessidades orgânicas acrescidas.
Descobertas da Ciência da Epigénica demonstraram que é possível reverter o processo de envelhecimento celular. Os hábitos de vida saudáveis e o consumo de anti-oxidantes e suplementos nutricionais podem assumir um papel importante na genoproteção, ajudar a reparar os danos no DNA celular e contribuir para retardar o envelhecimento humano e o aparecimento de determinadas patologias degenerativas. Isto significa que podemos ser responsáveis pela nossa saúde, pois as nossas escolhas, estilo de vida e hábitos de vida saudáveis são determinanantes na expressão dos genes que são passíveis de ser modificados.

 

Nutrientes Antioxidantes: Nova Esperança no Envelhecimento Humano


Vitamina C – O mais conhecido antioxidante, pelo seu papel na prevenção e no combate a gripes e constipações; aumenta as defesas orgânicas; protege da ação dos radicais livres; tem ação anticancerígena; reduz o colesterol; combate a flacidez do tecido conjuntivo, favorecendo a formação de novos tecidos. Poderoso agente anti-inflamatório e promotor da auto-regeneração. Alimentos: couve de Bruxelas; couve-flor; salsa; pimentos; espinafres; morangos; quivis; toranja; pêsssego.


Vitamina E – Também conhecida pela sua ação antioxidante (previne os danos nas membranas celulares e protege-as), é considerada como a "vitamina dos idosos e da longevidade", por favorecer a melhoria da circulação sanguínea e diminuir o risco de doenças cardiovasculares e cancro (devido à sua elevada proteção contra os radicais livres). Alimentos: cereias integrais; ovos; abacate; soja; germen de Trigo; óleo de gérmen de trigo; óleos de origem vegetal.


Vitamina D – Importante na fixação do cálcio na matriz óssea. A sua associação ao cálcio, à Vitamina E e Vitamina K parece produzir benefícios na osteoporose e evitar o agravamento do processo de osteopénia para osteoporose.


Vitamina K – Estudos epidemiológicos recentes associaram a baixa percentagem de Vitamina K à diminuição da massa óssea e à osteoporose. A suplementação desta vitamina K ajuda a aumentar a regeneração da massa óssea, a densidade óssea e o aumento da melhoria da condição óssea da população idosa.


Vitaminas do Complexo B – Este complexo de vitaminas participa na maioria das funções orgânicas e por isso é vital na regeneração celular, deve ser consumido diariamente. Alimentos: massas integrais; pão integral, gérmen de trigo; frutos secos; hortaliça verde; gema de ovo; levedura de cerveja.


Betacaroteno (Pró-vitamina A) – Conhecido pelas suas propriedades protetoras da pele contra as radiações solares, previne o envelhecmento celular e é um poderoso antioxidante e anti-cancerígeno. Previne o envelhecimento prematuro da pele. Alimentos: cenouras; amoras; damascos; melão; espinagres.


Bioflavonóides: Quercetina e Naringina – Ajudam as células a defenderem-se da ação dos radicais livres; são fator de proteção contra a peroxidação dos lípidos celulares. Favorecem a formação de colagénio; protegem os vasos sanguíneos. Diminuem o risco de doenças cerebrais degenerativas, como o Alzheimer e a demência. Alimentos: frutos vermelhos e violetas (frutos do bosque); mirtilos; amoras; uvas pretas; cerejas; arando e grainhas de uva (antocianósidos).


Polifenóis – Considerados como os antioxidantes naturais mais potentes, encontram-se no chá verde, vermelho e branco.


Astaxantina – Carotenóide de cor salmão, é de origem marinha e revela propriedades antioxidante superiores á Vitamina E e ao Betacaroteno. Fator de proteção celular, prevenindo doenças cardiovasculares, doenças oculares e outras doenças associadas ao envelhecimento. Fontes: Alga verde, Krill e Camarão.


Resveratrol – Conhecido anti-oxidante presente nas uvas e no vinho tinto.
Ácido Alfa-Lipóico – Nutriente antioxidante não essencial, componente celular endógeno com inúmeros benefícios para a saúde, pela sua potencial atividade antioxidante pode ser utilizado na prevenção de inúmeras doenças degenerativas.


Coenzima Q10 (Ubiquinona) – Componente natural das células, participa no processo de respiração celular, contribuindo para um envelhecimento mais lento (ativa a produção de energia na pele). Participa nas formas de redução e oxidação celular. Muito útil ao nível cardíaco (racionaliza o consumo de oxigénio por parte do miocárdio). Alimentos: espinafres. grãos integrais; sardinhas, nozes; amendoins; sementes.


Selénio – Considerado o mineral com maior potencial antioxidante, atua sinergeticamente com a Vitamina E (e muitas vezes associado à Vitamina C); previne o envelhecimento da pele; mantém a elasticidade dos tecidos. Alimentos: gérmen de trigo; cereais integrais; farelo de trigo, levedura de cerveja; nozes; peixe. cebolas; tomate; bróculos.


Cisteína e Meteonina - Aminoácidos Sulfurados (contêm Enxofre). Cisteína – Alimentos: levedura de cerveja; alhos; cebolas; bróculos; couves-Bruxelas; iogurte; aveia; gérmen de trigo; carne. Metionina – levedura de cerveja; soja; queijo; iogurte; abóboras; lentilhas; sementes de sésamo.


Magnésio – Mineral essencial para diversas funções orgânicas (sistema nervoso, músculo-esquelético), aumenta a resistência ao stresse. Alimentos: abacate; peixe azul; nozes; gérmen de trigo; vegetais verdes; bananas; cacau; laticínios.


Cálcio – De todos os minerais é o mais popular, quer pela sua abundância no corpo e nos alimentos, quer pelo seu papel fulcral no organismo. Muito associado à componente óssea, o consumo de cálcio tem inúmeras vantagem, nomeadamente no aumento da massa óssea, na remineralização óssea, dentária e na contração muscular. O consumo de cálcio deve ser feito em associação com a Vitamina D3, para que haja uma conveniente absorção. A "outra Face do Cálcio": Estudos recentes comprovam que a melhor forma de avaliar o risco de doença cardíaca é através da realização de um exame Score do Cálcio, que deteta exatamente os depósitos de cálcio ao nível das artérias coronárias. Por isso, o consumo excesivo de cálcio pode permitir a sua acumulação em regiões indesejadas do organismo, como o coração e os rins.


Silício Orgânico – O silício está presente nos ossos, paredes dos vasos e no tecido conjuntivo e na maior parte dos orgãos. O silício é essencial na formação de tecidos e contribui para a arquitetura, solidez, resistência e elasticidade dos tecidos, pelas suas ligações com o colagénio, elastina, queratina e proteoglicanos. A cavalinha é uma das plantas mais ricas em ácido silícico, que regenera as fâneras (unhas, pele e cabelo).


Ácido Gamalinoleico - Ácido Gordo com papel importante no organismo; precursor das Prostaglandinas; Substância indispensável à estabilidade das membranas celulares e ao equilíbrio e desenvolvimento do sistema nervoso. Alimentos: óleo de Onagra.


Ácidos Gordos Polinsaturados: Ómega 6 (previnem as doenças cardíacas); Omega 3 (essencial para a gordura do cérebro). Alimentos: óleos de peixe (salmão, Krill); Linho. Omega 6 (origem animal ou vegetal, com atividade antioxidante e anti-inflamatória); Omega 3 – EPA e DHA – promovem ao bom funcionamento das funções cerebral (memória e cognição) e cardiovascular; agentes anti-inflamatórios do aparelho osteoarticular (diminuem os marcadores da inflamação).


Oligoelementos – Minerais essencias a diversas funções do organismo, existem em doses baixas, perdem-se facilmente e devem ser repostos através da alimentação e/ou suplementação - Zinco, Manganês; Boro; Selénio; Germânio; Cobre.


Melatonina: A hormona do anti-envelhecimento. Hormona produzida no cérebro pela glândula pineal, responsável pelo equilíbrio dos ritmos diários e circadianos do corpo; é um poderoso antioxidante na ação contra o cancro (alguns estudos associam a sua baixa concentração no corpo ao aumento do risco de cancro). É utilizado no tratamento dos distúrbios do sono, tais como as insónias, que surgem frequentemente com a idade.


Glutatião – Considerado como o Master dos antioxidantes, é um elemento catalizador intracelular essencial para a atividade antioxidante de todos os outros antioxidantes. A diminuição da produção de glutatião pode ser responsável pelo aparecimento de inúmeras doenças degenerativas, tais como o Alzheimer, Doença de Parkinson, doenças cardíacas e auto-imunes. Este elemento é produzido no fígado, a partir dos aminoácidos cisteína, ácido glutâmico e glicina.


DHEA - Dehidroepiandrosterona – Hormona da Juventude – Hormona produzida pelas glândulas supra-renais, que o corpo utiliza sobretudo para elaborar hormonas sexuais. Melhora a estrutura da pele, impede a perda progressiva de massa óssea e muscular e retarda o envelhecimento. Pode ser sintetizada quimicamente ou consumida sob a forma de extrato de Inhame (tubérculo idêntico à batata doce proveniente do México).


"Super-Alimentos" - Levedura de Cerveja – Rica em aminoácidos essenciais de fácil absorção e vitais para o organismo. O consumo de levedura de cerveja proporciona a dose diária mínima de antioxidantes. Geleia Real – Alimento da Colmeia (destinado à abelha rainha e às recém nascidas), possui elevada riqueza nutricional, com princípios ativos de crescimento, regeneração e vitalidade, proteínas de alto valor biológico, aminoácidos (lisina, cistina, arginina), vitaminas A, C e E; Vitaminas do complexo B e Oligoelementos (Ferro, cálcio, silício).


Algas: Ácido Algénico – Substância que apresenta a capacidade de neutralizar substâncias tóxicas, contribuindo para limpeza intestinal. As algas são fonte de vitaminas, minerais e proteínas de alto valor biológico. Exemplos: Kombu; Ágar Ágar; Wakame: Hiziki; Clorela; Espirulina; Kelp.


Plantas Medicinais - Ginkgo biloba - Planta milenar rica em flavonóides, é utilizada no défice da memória e no tratamento da demência e Doença de Alzheimer. Aumenta a microcirculação periférica e cerebral. Maca - possui propriedades revigorantes (elevada concentração de aminoácidos), estimula o cérebro, efeitos revitalizantes, tónicos, revigorantes ao nível cerebral e sexual. Ginseng Koreano (Panax Ginseng) e Ginseng Siberiano (Eleuterococus Senticosus) - Considerada a Planta da Longevidade (as raízes de Ginseng assemelham-se à forma humana), constitui um excelente tónico, estimulante, reconstituinte e antioxidante. O Ginseng Siberiano é também um excelente revitalizante orgânico, pelas suas propriedades nutritivas e reconstituintes, sendo útil na fadiga crónica e em estados de debilidade e desnutrição, muitas vezes associado ao envelhecimento, sendo uitilizado na convalescença. Curcuma (Curcumina) - Poderoso antioxidante; Roseira Brava (Rosa canina) – efeito antioxidante; Benefícios na inflamação e na dor caraterística das patologias inflamatórias osteoartríticas e reumatóides.


Infusões Antioxidantes– Beber chá é uma das formas de evitar a oxidação celular. O consumo de chá branco, vermelho ou verde pode contribuir para o rejuvenescimento orgânico. O chá verde (Colhido e seco, sem ser sujeito ao processo de fermentação) - Poderoso antioxidante. O chá branco ("Chá da Beleza") tem uma percentagem três vezes maior de polifenóis do que o chá verde; o chá vermelho - Combate os radicais livres, reequilbra a flora intestinal e favorece a estimulação do sistema imunitário.


Culinária Anti-Envelhecimento - Alimentos Antioxidantes: Existem determinados constituintes fitoquímicos presentes nos alimentos que podem contribuem para a prevenção de inúmeras doenças, muitas delas associadas ao envelhecimento humano. Desde o consumo de alimentos, como a cenoura (carotenóides), a soja (lecitina), o cacau (teobromina), o ananás (bromelaína), tomate (licopeno); as uvas (resveratrol, picnogenol), café (metilxantinas), papaia (papaína) e cogumelos antioxidantes: maitake, reishi, coriolus, shitaké (mucopolissacáridos), os bróculos (sulforano), alho (alicina), ao uso de especiarias (açafrão da índia, canela, etc), poderemos também beneficiar deste efeito antioxidante. Por exemplo, o açafrão da Índia que utilizamos na culinária (típico da cozinha Oriental), possui a substância Curcumina, que tem propriedades anti-cancerígenas e anti-angiogénicas e anti-inflamatórias.


A melhor estratégia de promover o anti-envelhecimento é através de uma alimentação variada e equilibrada, rica em alimentos antioxidantes, associada à prática de exercício físico e à manutenção de atividades que estimulem a vitalidade cerebral.

 

 

O conteúdo deste site encontra-se protegido por Direitos de Autor.

Todos os trabalhos estão registados no IGAC

- Direcção Geral das Actividades Culturais -

É proibida a reprodução, parcial ou total, sem menção da autoria ou proveniência. 

Alternative flash content

Requirements

Get Adobe Flash player